Comissão para Juventude da CNBB realiza formação na Arquidiocese de Fortaleza sobre a violência

Comissão para Juventude da CNBB realiza formação na Arquidiocese de Fortaleza sobre a violência

A quarta-feira, 16 de maio, foi escolhida como data para que os agentes e convidados da Arquidiocese de Fortaleza-CE presenciassem uma formação a cerca do tema da violência que tanto vem afligindo a localidade!  Assim, a capital do Ceará acolheu de braços abertos o projeto Rota da Vida.

O importante projeto da Comissão Episcopal para a Juventude da CNBB levou alento para o estado que já superou mais de 1.500 homicídios somente em 2018. E assim, juntamente com outras capitais do Nordeste (Maceió e Natal) lideram um ranking de promoção da morte, em que sua maioria ceifam a vida de nossa juventude. Por isso, os convidados para este momento realizado no Santuário de N. Sra. de Fátima encontraram no seminário “luzes” a partir do evangelho para trilharem novos caminhos e superarem o “incômodo” da violência.

A manhã foi marcada pela formação de uma cultura de paz, presidida pelo cátedra da Unesco em Brasília, o padre salesiano dr. Geraldo Caliman, que abordou conceitos essenciais para compreender o cenário que permeia a dura realidade violenta. Segundo Caliman, “a inclusão da temática desde o ambiente familiar, escolar e nos grupos de jovens deve ser realizada pela abertura e luta em prol da vida, do evangelho. Pelo conhecimento da realidade que estamos inseridos”.

A partir do “ser jovem”, a própria juventude de Fortaleza se fez presente e partilhou suas distintas realidades.

A tarde foi marcada primeiro pela mesa em que André e Talita, membros do Setor Juventude da Arquidiocese relataram a criminalidade na cidade, o jovem negro de 17 anos é morador das comunidades periféricas e explanou sobre os desafios do preconceito que sofre, bem como as dificuldades de trilhar caminhos corretos no meio insalubre e o alento da fé para os poucos que procuram nessa realidade. A jovem de 26 anos acrescentou ainda que, uma das maiores dificuldades na dura realidade violenta é o diálogo entre o jovem e outras faixas etárias e a falta de “jovens evangelizando jovens”. Tal contexto, para os jovens, contribui para a violência existente e acentua um conflito de geração que precisa ser findado.

As atitudes culturais também marcaram presença e mostraram na prática um dos pilares discutidos: cultura! O jovem enquanto ser humano é alegre, gosta de movimento e precisa estar inserido onde se encontre e sinta-se parte do meio, tal motivação levou o grupo de teatro NEGRAJE, apresentar sua peça “CORAGEM”, que traz a temática racial e a luta dos jovens contra os pré conceitos existentes e a estigmatização da violência.

E para mostrar as realidades que dão certo em todo Estado do Ceará, seis instituições que atuam pela promoção da vida partilharam testemunhos e juntos traçaram caminhos de referenciação para combater a violência que tanto incomoda Fortaleza e o Ceará.

Todos projetos culminam para o mesmo objetivo: uma cultura de paz! Para isso a “Rota da Vida” ou trajetórias que afirmaram e partilharam é que a vida do jovem não precise ser interrompida, pois essas dimensões querem e assumiram o compromisso de promoverem cada vez mais ações de prevenção aos homicídios juntamente com as instituições da arquidiocese e desse momento não terminar somente com o seminário e sim com a execução de verdadeiras políticas públicas. Instituições por uma cultura de vida – Fortaleza – Ceará. Vale a pena conhecer estes trabalhos partilhados:

Caio Feitosa é um jovem católico, e membro da ONG – Centro de Defesa da Vida localizado no bairro Bom Jardim e aprovou o projeto e iniciativa do Rota da Vida nesse momento crucial em Fortaleza e acredita neste enquanto “mais um caminho para reforçar e unir, trabalhando assim a unicidade da Igreja em prol da vida plena e vida para todos” e contra o extermínio do presente e futuro da sociedade, caminhando assim igreja e jovem lado a lado, pois como foi reforçado no seminário “Deus é jovem” e a juventude do Ceará, inserido no regional Nordeste 1, acredita e partilha com o Papa Francisco de uma rota contínua para a construção do reino de amor.

Fonte: Jovens Conectados

Deixe um comentário