Diário do Nordeste: Celebração de Corpus Christi reúne 5 mil fiéis

Ato religioso chama a atenção para o Cristo vivo e ressuscitado, expressando-se no mistério da Eucaristia


“O Dia de Corpus Christi representa a reverência do católico para o Cristo vivo, que se materializa na hóstia consagrada. Ele é o alimento espiritual, que vence o pecado e a morte”.

A afirmação é do arcebispo de Fortaleza, Dom José Antônio Tosi Marques, ao presidir, ontem, as celebrações de Corpus Christi. Com uma missa celebrada no Santuário de São Benedito e uma procissão desse templo até a Catedral, a organização do evento estimou uma multidão de cinco mil fiéis nos atos litúrgicos, em que os cânticos e as orações são inspirados na materialização do pão que se transforma, pela fé, no corpo de Cristo.

Cedo da tarde, o Santuário de São Benedito já reunia uma multidão, que se acomodada desde os assentos no interior da igreja, até as calçadas e os passeios.

A missa começou às 16 horas, sendo concelebrada pelos bispos auxiliar de Fortaleza, dom Edmilson da Cruz, e o bispo de Jardim, em Mato Grosso do Sul, dom Jorge Alves. Houve ainda a participação de oito padres, seminaristas e acólitos.

Durante a homilia, Dom José Antônio explicou que mais do que um feriado religioso, o sentido de se refletir sobre o Corpo de Cristo é a promessa feita pelo filho de Deus, que o pão era seu corpo e o vinho o seu sangue.

Ele ressaltou que essa compreensão era a chave do Evangelho e do compromisso de amor. “Não podemos ser maiores do que o nosso alimento material. O pão da vida é transformador. Esse é que nos torna menor diante de Deus”, disse o arcebispo.

Já o pároco da Igreja de São Benedito, Padre Jackson Frota, ressaltou que a adoração ao Santíssimo é o princípio da fé.

´Trata-se de realçar a consciência dos católicos da presença de Jesus Cristo no pão consagrado. Temos a convicção de que é o filho de Deus que nos alimenta”, afirmou o religioso.

Pela tradição da igreja em Fortaleza, as celebrações de Corpus Christi têm sempre como ponto de partida a Igreja de São Bendito, que é têm à frente os padres sacramentinos. O carisma da ordem é exatamente a adoração ao Santíssimo.

Durante a missa, foram lidos trechos do Gênesis e uma epístola de São Paulo. Ambos os textos chamavam a atenção para a ceia do pão e do vinho. O Evangelho de São Lucas abordou a multiplicação dos pães.

A procissão teve como ponto de partida a Rua Clarindo de Queiroz. Com um hostiário levado pelo arcebispo, conduzido numa camionete, o cortejo percorreu as avenidas Tristão Gonçalves, Duque de Caxias e as Ruas Senador Pompeu e Castro Silva até chegar à Sé.

Ao longo do percurso da procissão, católicos entoaram ladainhas e fogos configuravam o lado festivo da manifestação religiosa. Por volta das 19 horas, o arcebispo, acompanhado de milhares de pessoas, adentrou à Catedral Metropolitana.

Este post tem 2 comentários

  1. Anônimo

    ADRIANO PARABÉNS PELO SEU TRABALHO. ELE REALMENTE NOS ATUALIZA DO QUE ACONTECE EM NOSSA PARÓQUIA E NA IGREJA DE UM MODO GERAL!

  2. PADRE JACKSON

    ADRIANO TENTA ENVIAR ESTA MATÉRIA QUE ESTA BEM COMPLETA DO DIÁRI DO NORDESTE, PARA OS LEIGOS SACRAMENTINOS, PAROQUIANOS E TODOS OS PADRES SACRAMENTINOS QUE A PROFESSORA LUDUINA TIVER E-MAILS OK, BOM TRABALHO.

Deixe uma resposta